RSS Feed

Tag Archives: mochilão europa

Munique – Cidade do estilo de vida

Posted on
weihnachtsmarkt-2015-2480
Knödel, Strudel, Schmankerl e cerveja – saboreando Munique

 

Comidas típicas da Baviera nos restaurantes e cervejarias, assim como especialidades de outros países nos Ristorantes, Sushibars e Tavernas, convidam para um tour de descobertas culinárias por Munique.

Antes de partir para uma volta ao mundo pela gastronomia internacional de Munique, é recomendável tomar uma deliciosa cerveja de Munique e testar um tradicional “Schmankerl”.

Seis grandes cervejarias fazem a fama da cidade como metrópole da cerveja: Augustiner, Hacker-Pschorr, Löwenbräu, Paulaner, Spaten e Staatliches Hofbräuhaus. Seja em um “Biergarten”, ao ar livre, na Oktoberfest, quando é servida a cerveja mais forte “Starkbier”, ou nos restaurantes tradicionais da cidade, não faltam oportunidades para provar a variedades de cervejas de Munique durante todo o ano.

Uma típica cervejaria de Munique serve pratos bem servidos em todas as variações. Quem prefere porções menores, pode pedir um “Brotzeit”, uma espécie de lanche bávaro: Rettich e Radieschen, dois tipos de rabanete, salsichas e queijo, pão Brezen fresquinho e pão preto, com “Schmalz”, um patê com gordura de porco, ou cebolinhas – tudo isso acompanhado de uma cerveja tirada na pressão, ou de um caneco de Radler, uma mistura de cerveja com refrigerante.

Muitos dos mistérios da cozinha internacional também podem ser descobertos em Munique: o amor pela cozinha “exótica” na cidade começou com os primeiros contatos com a Itália e outros países europeus. Hoje, diversas tratorias, restaurantes e bares, além de tavernas e bistrôs, já são considerados casas tradicionais de Munique. Atualmente, a escolha vai desde a costa do Atlântico até o Extremo Oriente, dando uma volta ao mundo pelas cozinhas da Europa até a Ásia ou África.

Slow or Fast – tradicional ou fusion, leve ou pesada, “haute cuisine” ou “Brotzeit” – a oferta abrange especialidades para todos os gostos. O ambiente também pode ser escolhido de acordo com as preferências, seja um templo gastronômico, um restaurante típico ou um café da moda.

É claro que a escolha número um continua sendo o clássico do verão, os “Biergarten”, onde os habitantes de Munique dividem com visitantes do mundo inteiro a mesma mesa e o mesmo banco nas cervejarias ao ar livre. À sombras das castanheiras, o cliente não só é servido com bebidas geladas, cerveja e especialidades bávaras, mas pode até mesmo trazer sua própria comida – uma particularidade da Baviera.

Já na primavera, começa a “quinta estação do ano”, cuja origem é a arte da fabricação de cerveja: a época católica do jejum é também a época da “Starkbier”, uma cerveja forte com maior teor de malte e álcool. Seguindo a tradição, durante o mês de março, todas as cervejarias da cidade servem esta cerveja muito nutritiva, que foi justamente criada por monges de Munique para suportar melhor as agruras da fase em jejum. O programa também inclui música e dança, completando a alegria.

 

Dez cervejas de trigo alemãs

Posted on

Na Alemanha são produzidos mais de 5.000 tipos de cerveja. Entre elas está a famosa cerveja de trigo (em alemão Weizenbier ou Weissbier).

Paulaner Naturtrüb

Conhecida mundialmente, essa Hefeweizen tem tonalidade dourado-brilhante – cor da composição de quatro diferentes tipos de maltes – e aspecto turvo, já que a levedura (Hefe) não é filtrada. Produzida na oitava maior cervejaria da Alemanha, tem traços de manga e abacaxi e equilibra doce e amargo no paladar.
Teor alcoólico: 5,5%

Paulaner_Hefe-Weissbier

Weihenstephaner Vitus

Encorpada e complexa, essa Weizenbock é reconhecida pelo aroma de damascos secos e pelo sabor marcante de especiarias: forte, mas frutado. Premiada diversas vezes pela World Beer Awards como a melhor cerveja de trigo e produzida pela mais antiga cervejaria do mundo, ela pode ser saboreada ao lado de pratos exóticos – e inclusive na hora da sobremesa.
Teor alcoólico: 7,7%

weihenstephaner-vitus_beer_full

Franziskaner Royal

A Royal é uma versão especial da Franziskaner, dotada de especiarias e o teor alcoólico mais elevado. Na composição do sabor, toques de figo, melão e banana madura, com aromas de cravo e espuma cor de marfim. De cor acobreada, encorpada e elegante, ela é uma das preferidas em ocasiões comemorativas – podendo facilmente substituir um bom vinho.
Teor alcoólico: 6%

DSCF9132

König Ludwig Weissbier Leicht

Com 40% menos do volume alcoólico de sua versão helles (clara), essa Weissbier é da categoria “light”, muito mais leve e bastante refrescante. A cerveja leva o nome do Rei Luís I, responsável pela inauguração dos primeiros Biergarten, os “jardins de cerveja”, bastante comuns na Alemanha, e da Oktoberfest em Munique.
Teor alcoólico: 2,9%

33b6c2da421c88e201affbb1a832aab

 

Schneider Weisse TAP 7

Feita em Kelheim, na Baixa Baviera, a Schneider Weisse conta com um enorme leque de diferentes cervejas de trigo, sendo a TAP7 a mais tradicional. De espuma leve e gostinho “típico da Baviera”, a Weizen se equilibra entre 60% de malte de trigo e 40% de cevada.
Teor alcoólico: 5,4%

schneiderweisse_original

Erdinger Weissbier

Outro exemplo da tradicionalíssima cerveja de trigo alemã, a Erdinger precisa de um período de três a quatro semanas para atingir a maturação ideal. Ela existe no mercado desde o início do século 20 e reafirma a antiga Lei de Pureza Alemã: contém apenas lúpulo, maltes, levedura e água. Cremosa, com tons de dourado e aparência opaca, é frutada e refrescante.
Teor alcoólico: 5,3%

erdinger_weissbier

 

Maisel’s Weisse Alkoholfrei

Ideal para quem busca uma Weizen sem álcool e menos calórica, sem abrir mão das características originais de aromas e sabores da cerveja tradicional. Produzida artesanalmente em Bayreuth, no norte da Baviera, a Maisel’s é leve e perfumada, com um sabor acentuado que equilibra banana e frutas cítricas.
Teor alcoólico: 0,5%

P1010001_0

 

Hofbräu Schwarze Weisse

Mais uma da série: Weizenbier produzida em Munique! Mas, diferente das últimas, essa é uma Schwarze Weisse: versão escura e menos espumante, se comparada à tradicional, ela é bastante aromática e leva um toque de biscoito amanteigado no sabor, misturando ainda notas de marrom glacê e até salada de frutas. A espuma tem cor de cappuccino.
Teor alcoólico: 5,1%

20100207-IMG_3703

Berliner Kindl Weisse

Levemente ácida e muito refrescante, a Berliner Kindl Weisse tem um teor alcoólico bastante baixo. Feita na capital alemã, ela já foi considerada a “champagne do norte da Europa”, graças ao seu frescor e à sua característica borbulhante. Além, é claro, do colorido – a Berliner Kindl é famosa por adicionar xaropes dos mais variados sabores às suas cervejas.
Teor alcoólico: 2,8%

6539-berliner-kindl-weisse-waldmeister-58-1406169295

 

Hacker-Pschorr Dunkle Weisse

De caráter aveludado e notas de caramelo, essa Dunkle Weisse é produzida no coração de Munique. Feita com maltes selecionados, é densa e aromática. A doçura picante do malte escuro se equilibra com um leve gosto amargo, e os traços são de cravo e gengibre.
Teor alcoólico: 5,3%

hacker_pschorr_anno1417

 

(fonte DW)

Salzburg

Posted on
Se você é um daqueles turistas que tem a agenda de viagem um pouco mais folgada, podendo ficar em Munique mais de 3 dias, essa dica é pra você. Não deixe de conhecer Salzburgo (em alemão: Salzburg).
Salzburgo é Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1996. Com esse título, você já pode imaginar o que irá encontrar. São dezenas de construções históricas a poucos passos de distância uma das outras. Além disso, é a cidade natal deMozart. Sendo assim, em algumas épocas dos ano, o número de turistas ultrapassa o de residentes.
Com um cenário tão bucólico como esse dá para entender de onde vinha a fonte de inspiração de Mozart. Os Alpes como pano de fundo, muitas torres de igreja, cúpulas imponentes, um belo forte medieval e uma cidade de arquitetura impecável às margens do rio Salzach.

A dica é fazer uma visita no esquema “bate e volta”. Ou seja, saindo bem cedo de Munique e voltando no início da noite. Até porque, um dia é mais do que suficiente para se visitar tudo.

Salzburgo fica na Austria, quase na fronteira com a Alemanha. Sugiro ir de trem, partindo da Estação Central de Munique (Hauptbahnhof) e com o “Bayern Ticket”. Lembrando que esse Ticket, você poderá ir e voltar por 22 €, caso tenha acompanhantes, + 4 € por pessoa. Lembrando que o máximo permitido por Ticket-Familia serão de 5 adultos. Essa viagem dura por volta de 1 hora e meia e com uma paisagem muito interessante no percurso de 150km.

SALZBURG CARD
Ao chegar na estação ferroviária tem um guichê de informações turísticas. Lá você recebe um mapa da cidade com a explicação dos principais pontos turísticos e ainda opção de comprar um cartão que dá direito a visita dos principais pontos de interesse da cidade por 24 horas por 22 euros. Além de ser prático é eficiente, pois irá te poupar o tempo de fila em cada atração e inclui um “passe livre” de ônibus pela cidade. Molezinha, heim?!A cidade é relativamente pequena (apesar de ser a quarta maior do país). No entanto, é preciso caminhar muito para conhecer seus recantos e alguns lugares interessantes ficam no alto do morro, ou seja, subidas e descidas fazem parte do trajeto.

 Os locais mais importantes a se conhecer são:1. Mozartplatz e Residenzplatz. A praça de Mozartplatz tem uma escultura do famoso músico no seu centro e nas suas ruas se distribuem preciosas lojas. A Residenzplatz (De Quarta a Sábado das 10:30 às 17:00) é o centro da cidade, nela se encontra o Neubau, sede do governo; Glockenspiel, uma igreja cujos sinos interpretam obras clássicas e a Residência dos bispos, atual sede da galeria de arte da cidade.

2. Catedral (Domplatz) destacam-se as esculturas da fachada no exterior e no interior.

3. Abadia de São Pedro (10:30 às 17:00 durante o Verão, das 10:30 às 15:30 durante o Inverno). Este convento pertence à ordem dos Beneditinos, o mais antigo existente no âmbito alemão. O interior da igreja de São Pedro é referencia do Rocócó. Wolfang Amadeus Mozart estreou aqui a sua Missa em Dó Menor e em sua honra na noite anterior ao aniversário da sua morte, se toca o Réquiem. O Cemitério de São Pedro está classificado como o mais bonito campo santo do mundo.4. Igreja dos Franciscanos. Este templo é conhecido por muitos como a Igreja da Universidade. O templo da rua Frankiskanergasse é um dos edifícios mais antigos da cidade. Saindo desta igreja encontra-se o Rupertinum, um museu de arte contemporânea.

5. Tocaninihof abriga a Sala de Festivais, tem três teatros, o mais pequeno construído em 1937 e conhecido como o Cenário de Mozart. O Cenário de Wagner está escavado nas paredes de Mönschberg e o teatro ao ar livre foi construido em 1600.

6. Hagenauer Haus (9 às 17.30, Julho e Agosto até às 18.30 horas. 5,50€) viveu a família de Leopold Mozart desde 1747 até 1773. Em 27 de Janeiro de 1756 nasceu aqui Wolfgang Amadeus Mozart. A antiga casa de Mozart é um museu desde 1880; aqui expõem-se objetos famosos como o violino que ele utilizava desde criança ou o que tocava em concertos, o seu clavicórdio, o piano de martelos, retratos e cartas da família Mozart. Mozart Haus também serve de sala de concertos durante todo o ano.

7. Fortaleza Hohensalzburg (9:00 às 18:00 de 15 de Março a 14 de Junho. 8:30 às 18:00 de 15 de Junho a 14 de Setembro. Das 9:00 às 17:00 de 15 de Setembro a 14 de Março. 3,50€). Para ir à fortaleza prepare-se para a caminhar ladeira acima. Porém essa mini-prova de “Iron Man” será recompensada com a vista de toda a cidade. O interior é todo decorado com objetos de arte medieval. No lado de fora da fortaleza não deixe de visitar o pátio com a Cisterna de Lang.

8. Convento de Nonnberg (9:00 às 18:00 de 15 de Março a 14 de Junho. 8:30 às 18:00 de 15 de Junho a 14 de Setembro. Das 9:00 às 17:00 de 15 de Setembro a 14 de Março. 2,80€) O convento benedito de Nonnmberg é o mais antigo convento de mulheres. Otima vista dos Alpes Tennen e Hagengebirge.

9. O Parque e o Palácio de Mirabell. O jardim em estilo barroco italiano é muito bonito durante a Primavera e o Verão, são cenários constantes nas capas de cadernos e protetores de tela de computador. 🙂

10. Palácio de Hellbrunn, construído por Solari como residência dos príncipes-arcebispos. Fontes “Wasserpiele” formam um bonito cenário nos jardins. O Pátio do Palácio de Hellbrunn parece ter sido feito para as luxuosas festas da época.Restaurantes:
Mercado de Mirabellplatz (manhãs de Quinta-feira), Universitätplatz e Kapitelplatz são uma boa ideia para comprar fruta e comer a bom preço. Indico os restaurantes: Wilder Mann, Stadtalm (Mönchsberg 19), Steinterrase (Hotel Stein, Schwarzstrabe), Vegy Vollwertimbiss (Vollwertkost St. 21) e Goldene Ente (Goldgasse 10).

Para tomar uma boa cerveja e boa música: Augustines Bräustübl (Augustinergasse), Bar do Hotel Alrstadt (Rudolfskai), Bar Flip (Gstättengasse), Cave Club (Leopoldskronstrasse), Andreas Hofer (Weinstube). Em Rudolfkai há uma boa quantidade bares animados, boates e pub’s com música ao vivo. Atravessando o rio também tem uma pequena área de bares ao lado da Steingasse.

Clima:
Salzburg está localizada perto dos Alpes, portanto o clima é sempre uma incógnita. Inverno é muito frio e no Verão dilúvios de 30 minutos no final do dia são frequentes. Tenha sempre um cachecol e luvas na bolsa e dependendo da época do ano, um guarda-chuva. Pra você ter uma idéia, já sai de Munique com Sol e céu azul e cheguei em Salzburg com nevasca de não enxergar o outro lado do rio.
Os “ovos pintados” e o ” Original Salzburger Mozartkugeln” (Chocolate de Mozart) são boas dicas de souvenirs.

Ruínas do Terceiro Reich

Posted on

Esse tema é de longe o mais complicado a ser pesquisado em terras alemãs. Simplesmente porque tudo referente a II Guerra Mundial se tornou proibido. Pra você ter uma idéia, se você digitar a palavra “Hitler” no youtube, todos os videos estão bloqueados com a mensagem “conteúdo indisponível no seu país”.

Sempre fui um aficcionado pelo tema “II Guerra Mundial”. São dezenas de filmes, documentários e livros na minha estante. Tudo que envolva as batalhas e o material bélico da época, faço questão de assisitir ou ler mais e mais, tanto que um dos meus hobbys é o Plastimodelismo Militar. Sim montar e pintar “aviãozinho de guerra” (termo usado pela maioria dos leigos)

Na minha primeira visita a Alemanha, isso muito antes de pensar em morar por aqui, cheguei acreditando que iria ter acesso a todo poderio bélico remanescente da década de 40. Na primeira oportunidade, lá estava eu questionando a população local: “Onde posso encontrar tanques Panzers? E os aviões Messerschmitt ? A reação de todos era sempre a mesma, negativar com a cabeça e já mudar de assunto.
Eu não entendia o motivo de tanta antipatia e aversão. Passei a entender depois que deixei de usar o visto de turista no meu passaporte, no dia que passei a viver o dia-a-dia dos alemães.

Uma coisa é certa, tudo o que foi feito à 70 anos atrás, foi pago e continua sendo pago por todas as gerações seguintes. Acredito que isso ainda irá permanecer por mais um século. Você nunca irá ver um alemão discutindo na rua com pessoas de outras etnias. Como assim? Calma, vou explicar exemplificando com um episódio que eu já vi dentro do metro. Um grupo de adolescentes turcos gritavam dentro do metro, gritavam é uma forma de ser educado, eles estavam “zaralhando”. Um senhor alemão, se aproximou com dificuldades e pediu para que falassem um pouco mais baixo, automaticamente o grupo de adolescentes começou a gritar “Sai daqui seu nazista! Sai daqui!”. Naquele dia comecei a entender o peso da bagagem que os alemães carregam, e passei a fazer minha pesquisa sozinho, usando apenas a internet como base.

Numa dessas pesquisas, encontrei o site: http://www.thirdreichruins.com (está todo em inglês).
Depois disso foi extremamente fácil encontrar todos os prédios e ruínas da época. Era só seguir o passo-a-passo feito pelo Geoff Walden (autor do blog).

Munique teve uma grande importância, pois foi a Capital do Movimento – o berço do Partido Nazista. Durante todo o período do Terceiro Reich, Munique continuou sendo a capital espiritual do movimento nazista, com edifícios sede, museus para abrigar as formas de obras aprovadas por Adolf Hitler, além de ter sido o local escolhido para a tentativa do golpe nazista em novembro de 1923.

Vou tentar descrever esses locais históricos:

Já escrevi sobre “Eagle Nest” ou Kehlsteinhaus (em alemão) ou “Ninho da Águia”. É uma casa de montanha de Adolf Hitler situada a 1834m de altitude, no topo da montanha Kehlstein. Encomendada por Martin Bormann como um presente de Aniversário de 50 anos para o líder do Partido Nacional Socialista Adolf Hitler, tornou-se um dos destinos turísticos mais populares no sul da Alemanha.
Atualmente a Kehlsteinhaus abriga um excelente restaurante, com uma vista deslumbrante e onde encontramos os melhores e mais tradicionais pratos da Bavária. O nome de “Ninho da Águia” talvez se deva à sua localização dada a altura ser propícia para as Águias edificarem os seus ninhos, ou a Adolf Hitler ser considerado a Águia da Alemanha, ou de alguma forma remediar ao fato do brasão da Alemanha Nazista constar uma Águia. Mas admito que qualquer uma dessas hipóteses possam ser meras conjecturas minhas.

Hofbräuhaus: A mundialmente famosa cervejaria Hofbräuhaus, localizado na Platzl 9, foi palco de várias reuniões nazistas e alguns dos discursos mais memoráveis ​​de Hitler. Inclusive foi o local de um dos atentados contra Hitler.

Kriegerdenkmal: O Memorial está localizado no Hofgarten. Um grande bloco de pedra, com o slogan “Sie werden aufstehen” (Eles irão se levantar), abrange uma área com uma cripta rebaixada, mostrando uma escultura de um soldado alemão preparado para o enterro. O memorial foi erguido em 1924-1926 em memória aos 13.000 “filhos heróicos de Munique” que caíram na Primeira Guerra Mundial, entre 1914-1918. Após a Segunda Guerra Mundial, uma inscrição no memorial foi acrescentada para os 22.000 soldados mortos e 11.000 desaparecidos, além das 6.600 vítimas dos bombardeios aliados em Munique entre 1939-1945.

Löwenbräukeller: localizado na Nymphenburger Straße 4, foi outro local favorito para os primeiros encontros e discursos do Partido Nazista.

Park Café:  Localizado na Sophienstraße 7, foi construído em 1935-1937 no local do antigo Palácio de Vidro de Munique, que pegou fogo em 1931. O Park Café exibia o estilo neo-clássico preferido pelos nazistas, e era ponto de encontro frequente de Hitler.

Dachau: foi estabelecido nas dependências de uma fábrica abandonada de munição, próxima à parte nordeste da cidade de Dachau, a cerca de 15 quilômetros ao noroeste de Munique, no sul da Alemanha. Foi o primeiro campo de concentração, servindo de modelos para os demais, inclusive como centro de treinamento para os soldados da SS. Dachau chegou a abrigar mais de duzentos mil prisioneiros, sendo a maioria presos politicos, artistas e opositores ao regime nazista. Com um Estado Totalitário, não seriam aceitos aqueles que manisfestassem um pensamento ideológico contrário ao Socialismo Nacionalista de Hitler, que o mesmo afirma em sua biografia: “A lei natural de toda evolução não permite a união de dois movimentos diferentes, mas assegura a vitoria do mais forte e a criação do poder e da força do vitorioso, o que só se pode conseguir por meio de uma luta incondicional (HITLER, 2005, p.257).”

Os judeus que passaram a ser perseguidos, perderam seus direitos políticos e sociais, foram declarados inimigos políticos e consequentemente também foram enviados para Dachau.
Diferente de Auschwitz II (Birkenau), que era um Campo de Extermínio, Dachau era considerado no início, um presídio comum. No entanto, nos ultimos anos da guerra, seus presos passaram a ser fuzilados ou enforcados. Cerca de trinta mil pessoas morreram em Dachau. O campo chegou a possuir uma câmara de gás, mas não há registros de que tenha sido usada.

Minha única visita a Dachau foi feita na Primavera em um dia com Sol e Céu azul, nem por isso o clima ficou menos pesado. Com a frase “Arbeit Macht Frei” (o trabalho liberta) no portão de entrada, é impossível o visitante não se colocar no lugar de um dos 200 mil presos que por ali passaram.

Em Dachau, como em outros campos nazistas, os médicos alemães realizavam experiências médicas nos prisioneiros, tais como testes de alta altitude usando câmaras de descompressão, experimentos com malária e a tuberculose, hipotermia, e testes experimentais para novos remédios e vacinas que servissem aos alemães. Os prisioneiros também eram forçados a serem cobaias em testes de métodos de dessalinização da água e de estancamento de perda de sangue excessivo. Centenas de prisioneiros morreram ou ficaram permanentemente incapacitados como resultado destas experiências.

No dia 26 de abril de 1945, já próximo da data da chegada das Forças Norte-Americanas ao local, os Guardas da SS obrigaram mais de 7.000 prisioneiros, a maioria deles judeus, a iniciarem a chamada “marcha da morte”, uma caminhada que ia de Dachau à Tegernsee, bem mais ao sul. Durante a mencionada marcha, os guardas alemães atiravam em qualquer pessoa que não conseguísse continuar a andar; muitos outros morreram de fome, de frio e exaustão. Três dias depois, as forças norte-americanas libertaram Dachau e uma semana depois libertaram os prisioneiros sobreviventes que haviam sido levados para a marcha da morte

Monumento em homenagem aos prisioneiros que se suicidaram na cerca eletrificada.

LONDRES

Posted on

Mesmo meu blog tendo Munique como tema principal, resolvi ampliar um pouco mais as fronteiras sobre as minhas dicas de viagem. Nesse caso, vamos para Londres. Se você nunca esteve em Londres, prepare-se. Tenho certeza de irá se surpreender muito com o essa cidade.  A minha chegada em Londres foi pelo aeroporto Standsted e seguindo de metro ate o centro da cidade. Admito que nesse aspecto, o metro de Munique é infinitamente melhor, mais limpo e mais fácil de ser usado. Ainda sim, o metro de Londres é referência mundial pois atinge todos os pontos da cidade.

Procurei desembarcar na estação mais central possível, por isso optei pela “Oxford Circus“. Eram 18hs de uma Sexta-Feira, tente imaginar as milhões de pessoas transitando ao meu lado, todas as luzes acessas, vitrines decoradas,..fiquei 30 minutos parado no mesmo lugar, tentado assimilar tanta informação.

Passado esse periodo de adaptação, tratei de procurar um hotel ou hostel. Para minha surpresa, tudo lotado. Isso mesmo, em pleno Outubro, sem qualquer feriado ou data festiva e tudo no “centrão” estava lotado. A opção foi começar a me afastar do centro, infelizmente. Consegui um Hostel em “Canada Water”, com quarto individual e café-da-manhã.

Segunda etapa era resolver o translado na cidade. Optei pelo ”London Oyster Card“, que nada mais é que um cartão magnético que te dá direito de usar onibus e metro, 24 horas, 7 dias da semana. Esse cartão é carregado de acordo com o periodo que você irá permanecer na cidade e com uma taxa de 5 Libras para ter o cartão. Lembrando que essas 5 libras serão devolvidas ao final da sua viagem, quando devolver o cartão nos Postos de Atendimento de Waterloo Station ou Liverpool Station. A média é de 5 libras por dia de uso, portanto 1 semana (7 dias) será faixa de 35 libras. Caso você compre o de 1 semana e utilize apenas 4 ou 5 dias, a diferença será será devolvida juntamente com as 5 libras pagas pelo cartão.

Até esse momento, tudo poderá ser feito com cartão de débito e/ou cartão de crédito. As libras deverão ser compradas depois de algumas pesquisas e de preferencia em lojas do centro. Fuja das casas de cambio do aeroporto, pois todas cobram comissões e trabalham com as piores cotações. Todas as casas de câmbio do centro funcionam 7 dias da semana, de 9 às 22. Particulamente eu vacilei nesse aspecto, pois fiquei com receio dessas lojas não funcionarem no final de semana. A outra dica, é ir comprando as Libras aos poucos, conforme a demanda.

Passeios: Londres é uma cidade extremamente cultural, com dezenas de museus e locais emblemáticos.
A dica é pegar aquele “City Tour” de onibus, com guias em todos os idiomas (inclusive português), no qual você embarca e desembarca quantas vezes quiser e conhece os pontos turisticos de maior interesse. Acredite, esse passeios foram as melhores idéias para turistas, pois além de poupar tempo, você conece praticamente tudo sem gastar a sola do sapato.

Locais a visitar: obviamente que London Bridge, Big Ben, Palácio de Buckingham, London Eye (enorme Roda-Gigante), Catedral de St Paul’s e Westminster, … são paradas obrigatórias. Porém não se esqueça dos museus. Que além de serem uns dos melhores do mundo, muitos são de graça.

Museu Imperial de Guerra (IWM) em Londres tem um acervo que cobre todos os conflitos envolvendo a Grã-Bretanha no século XX e XXI.
Endereço: Lambeth Road
Estação de Metrô: Waterloo
Horário: 10 às 18hs

Museu de História Natural de Londres (Natural History Museum). Fundado em 1881, possui itens relacionados a Botânica, Entomologia, Mineralogia, Paleontologia e Zoologia. Resumindo: bom para quem gosta de ver dinossauros e ossos e aprender mais sobre o desenvolvimento da fauna e da flora no mundo.
Endereço: Exhibition Road
Estação de Metrô: South Kensington
Horário: 10 às 18hs

Museu de Ciência conta a história da ciência através de exemplos práticos, com fotos, vídeos, computadores, hologramas e todo tipo de engenhosidade imaginável. Oferece também sessões de cinema IMAX 3D, com entrada à parte.
Endereço: Exhibition Road
Estação de Metrô: South Kensington
Horário: 10 às 18hs
Não deixe de visitar as outras atrações pagas de Londres: Imperial War Museu Duxford (Museu de Aviões), HMS Belfast (navio de Guerra usado na II Guerra e ancorado no Rio Tâmisa), Madame Tussaunds (Museu de Cera), The London Dungeon (Casa do Terror), Sea Life, ..
http://www.youtube.com/watch?v=8x2dN-uEDr8
Para os amantes da arquitetura, Londres é um prato cheio. O contraste de prédios do século XIX, com prédios modernos é encontrado a cada quarteirão caminhando pelo centro.
O 30 St Mary Axe, também conhecido como Gherkin (em inglês: “Pepino”) foi projetado por Norman Foster, e construído entre 2001 e 2004.

London Bridge Tower, também conhecida como “The Shard” (em português, caco de vidro), é um projeto do italiano Renzo Piano, com 309,6 m de altura. No projeto, 72 andares de um prédio multiuso. Do térreo ao 33º piso, ela será ocupada por escritórios e restaurantes, enquanto o Shangri-La Hotel e Spa ocupará do 34º ao 52º pavimento, com 200 suítes. Os últimos andares abrigarão galerias e mirantes.
Os andares mais concorridos – e caros – vão do 53º ao 65º, onde 10 apartamentos de alto luxo estão à venda por preços que variam entre 37 e 62 milhões de euros.
Alguns detalhes impressionantes da torre:
– vista panorâmica de 360° para a cidade;
– os apartamentos avistam o mar nos dias de céu limpo, quando a visão alcança até 66 km a distância;
– mais de 95% dos materiais de construção utilizadas durante a obra são recicláveis;
– entre estes materiais, estão os quase 11 mil painéis de vidro de sua fachada, que totalizam uma área equivalente a oito campos de futebol;
– São ao todo 44 elevadores para que os visitantes possam circular pelo edifício.

Lloyd’s building foi projetado pelo arquiteto Richard Rogers e construído entre 1978 e 1986. Tal como o Centro Pompidou (projetado por Renzo Piano e Rogers), esse edifício foi inovador desde suas escadas e elevadores, até suas canalizações de água do lado de fora, deixando um espaço interior limpo e organizado. Os 12 elevadores de vidro foram os primeiros de seu tipo no Reino Unido. Como o Centro Pompidou, em Paris, o edifício foi muito influenciado pelo trabalho de Archigram da década de 1950 e 1960.
O edifício é composto por três torres principais e três torres de serviços em torno de um espaço central, retangular. Seu ponto principal é o “Underwriting” no piso térreo, que abriga o famoso Sino Lutine . A Sala de “Underwriting”, muitas vezes simplesmente conhecido como “O Quarto”, é formado por galerias e um átrio iluminado naturalmente através de um enorme abobadado telhado de vidro. As primeiras quatro galerias abrem-se para o espaço de átrio, e estão ligados por escadas rolantes através da estrutura. Os andares mais altos são envidraçados, e só podem ser alcançados através dos elevadores externos.

Piccadilly Circus é um dos principais cruzamentos em Londres, sendo um local perfeito para ponto de encontro, além de ser uma atração turística famosa de Londres. Com a estátua de Eros e os Outdoors de LCD na fachada de um de seus prédios que ficam em frente a praça de Piccadilly, se torna um programa ideal para o fim de tarde. Estação de Metrô Piccadilly Circus.

Oxford Circus é um dos principais centros de compra de Londres. Formado pela junção da Regent Street com a Oxford Street, este cruzamento em forma de “x” e não de cruz, como de costume, representa a centro das compras, das lojas de marca e da agitação dos londrinos. Todo ano, mais ou menos 40 milhões de pessoas passam pelas lojas de Oxford Circus.

Oxford Circus foi concebida no início do século 19, projetada pelo arquiteto John Nash. Desde então é um local que faz parte da história da cidade. Exatamente abaixo da interseção das ruas fica a Oxford Station, a famosa estação de metrô que foi incendiada em 1985 devido a um cigarro, o que acarretou a proibição do fumo em toda a rede do underground londrino.A Oxford Street tem a fama de ser a mais visitada rua de compras da Europa. A maioria das lojas abre entre 9 e 10h e fecham por volta das 20h. A maioria também funciona aos domingos.

Algumas lojas que se encontram na Oxford Street: Selfridges, Primark, M & S, HMV, Evans, Wallis, Barratts, Swishy, Dorothy Perkins, Next, New Look, Boots, Russell and Bromley, Clarks, River Island, Marks and Spencer, French Connection, Jane Norman, Accessorize, Gap, The Body Shop, The Disney Store, Debenhams, Sunglass Hut, Fossil, House of Fraser, John Lewis, BHS, Zara, Nike Town, Urban Outfitters,Schuh, Office, Uniqlo, Scoccer Scene, Aldo, Esprit, The Suit Company… Essas são apenas algumas delas.

clima em Londres é imprevisível. Em pleno inverno entre dezembro e fevereiro a temperatura pode descer abaixo de 0º C. Enquanto que no verão entre junho e agosto a temperatura raramente chega a 30º C, mantendo-se abaixo de 25º C a maior parte do tempo.
Em Outubro, por exemplo, amanhece um céu azul, nuvens ao meio dia e chuva no final de tarde, com noites estreladas. Portanto vale a pena ter uma sobrinha na mão, ou um casaco impermeável, pois a chuva geralmente é leve, como uma garoa paulistana.

mapa abaixo do Metro de Londres será importantíssimo em sua viagem. Não se esqueça que o metrô encerra suas atividades as 00:30hs e retorna o funcionamento às 04:30hs. Linhas de ônibus noturnos se encarregam de cobrir esse horário de pausa do metro.

Cervejas da Oktoberfest

Posted on

Você sabia que apenas 06 Cervejarias participam da Oktoberfest e todas são de Munique ? A escolha segue o estatuto da festa: é preciso ter tradição comprovada e seguir as leis de pureza de Munique e da Alemanha. As eleitas são:AugustinerPaulanerHofbräuSpaten-FranziskanerHacker Pschorr eLowenbrau.

A cerveja por excelência do Oktoberfest é conhecida como Märzen, porque se produz em Março (März em alemão). A Cerveja Märzen é um pouco mais forte que a média das cervejas. No séc. XVII os produtores de Cerveja bávaros inventaram um sistema de produção que evitava a perda do sabor e da quantidade de álcool da Cerveja para que se pudesse beber entre Setembro e Outubro.

AUGUSTINER
As Augustiner mais conhecidas são a Augustiner Helles (5,2%) clara e suave, e a Edelstoff (5,6%) um pouco mais forte e doce. Outro destaque desta marca é a Augustiner Weissbier, a tradicional do Oktoberfest. Esta última e a Edelstoff são as únicas que são servidas nos tradicionais barris de madeira.
Festhalle (tenda) onde pode encontrar: Augustiner Festhalle e Fischer-Vroni.

PAULANER
A Cerveja do Oktoberfest é a Paulaner Amber (5,8%), menos forte que as restantes Cervejas que se servem no Oktoberfest e provavelmente a mais famosa. Tem uma caractrística cor ambar escura e um sabor mais suave que as outras Cervejas que se podem beber na Festa.
Festhalle (tenda) onde pode encontrar: Armbrustschützenzelt, Winzerer Fähndl e Wies’n Käfer de Schänke.

HOFBRÄU
Em 2008 ganhou a medalha de ouro no Festival Mundial da Cerveja. E como resistir a provar uma das melhores Cervejas do mundo? Hofbräu, tal como a Spaten-Franziskaner, produzem uma Märzen ligeira, elaborada exclusivamente para satisfazer a variedade do público internacional da Oktoberfest.
Festhalle (tenda) onde poderá encontrar: Hofbrau Festzelt.

SPATEN-FRANZISKANER
As suas Cervejas mais famosas são a Pils (0,5%) que foi a primeira cerveja elaborada em Munique, e Oktoberfestbier (5,7%) que é mais forte e com uma cor mais “pálida”. A Cerveja especial desta marca é a Diät Pils (4,9%), pode ser consumida por diabéticos pois só tem 32 calorias. Sim, também se pode manter a dieta no Oktoberfest.
Festhalle (tenda) onde poderá encontrar: Hipodromo, Schottenhammel, Ochsenbraterei / Spatenbräu

HACKER-PSCHORR

Hacker-Pschorr fermenta três vezes mais do que uma Cerveja normal, o resultado é uma Oktoberfest Märzen (5,8%) com um agradável sabor ainda que ligeiramente amargo, que combina bem com a comida servida no Festhalle.
Festhalle (tenda) onde poderá encontrar: Hacker-Festzelt, Bräurosl

LOWENBRAU
A sua especialidade para o Festival é a Wiesenbier (6,1%) que se refere ao nome Oktoberfest para os bávaros “Wiesn”. A Wiesenbier é clara, brilhante e tem um teor alcoólico superior à média.
Festhalle (tenda) onde a pode encontrar: Schützen-Festzelt, Lowenbrau-Festhalle.

# NÃO SE ESQUEÇA: a Cerveja servida na Oktoberfest é mais forte do qualquer outra cerveja que você já bebeu na sua vida, ainda mais sendo servida em Canecas (Mass) de 1 litro. A notícia boa é que a ressaca é zero.

Cardápio da Oktoberfest

Posted on
O que comer na Oktoberfest???
– Pommes Frites: Batatas-Fritas tamanho XXL
– Brezn: pãozinho tradicional da Baviera, coberto com Sal grosso e em formato de um laço-coração  Dentro das Tendas eles são vendidos pelas “Brotfrauen”
– Brathähnchen: o famoso Frango assado de Padaria. São mais de 500mil frangos consumidos na festa;

– Steckerlfisch : Peixe (cavala) defumada no espeto.

– Eisbein mit Sauerkraut: Joelho de Porco com Repolho.

– Bratwurst mit Semmel: Cachorro-quente com Salsicha Alemã

– Wiener Schnitzel: Filés de Porco empanados; sendo o prato mais tradicional austríaco
– Leberkäse mit Semmel: imagina um sanduiche com um Presunto de 1 polegada.

– Käseknödel: Bolinho de Queijo. Na verdade bolão, do tamanho de uma bola de Tênis.

– Zwiebelkuchen: Bolo de Cebola.

– Lebkuchenherzen: Tradicional lembrança da Festa. Pão de Mel com formado de coração, com alguns dizeres no dialeto da Bavária.
– Apfelkuchen: a tradicional e melhor Torta de Maçã. Com a opção de cobertura de Chantily ou Sorvete de Creme.

– Frutas Açúcaradas ou cobertas com Chocolate: Lembra da Maça do Amor ? Então..