RSS Feed

Tag Archives: dicas da alemanha

Trens na Alemanha

Posted on

 

Quando se trata de transporte, muitos turistas (principalmente meus amigos brasileiros) preferem os trens na Alemanha. O sistema de trem alemão é enorme, facil de usar e extremamente pontual (como tudo aqui).  No entanto,  prepare seu bolso, a brincadeira não é barata.  Mais de 40 mil quilômetros de vias férreas compõem a base mais importante sistema de transporte nacional da Alemanha.  Trens na Alemanha são muito limpos, confortáveis e eficientes.  Quase sempre mais caros que os aviões. Então aquela historinha de comprar o “Euro Pass”,  viajar por toda a Europa de trem, muitas vezes dormindo no proprio trem e economizando algumas diárias de hoteis é lenda.
Mesmo que muitos dos alemães ainda reclamem das altas tarifas e do atendimento dos funcionários nos trens na Alemanha, muitos turistas elegeram o sistema ferroviário alemão como um dos melhores da Europa.  Particulamente, essa eternas reclamações fazem parte da famosa “etiqueta alemã”.  A maioria dos trens na Alemanha é gerido pelo Deutsche Bahn AG , mas há também algumas linhas regionais privadas, como a Bayerische Oberland Bahn no sul da Baviera ou o Nord-Ostsee-Bahn , perto da fronteira germano-dinamarquesa.
                                        

Trens e Estações

Existem diferentes tipos de trens na Alemanha, podem parecer confuso à primeira vista.  A lista a seguir deve ajudá-lo:
  • EuroCity (CE): conectar grandes cidades, não só na Alemanha, mas também em outros países europeus. Por exemplo, há ligações regulares entre Hamburgo e Copenhagen, Berlim e Varsóvia, bem como Munique e Milan.
  • Intercity Express (ICE): na Alemanha conectar grandes áreas urbanas com horários programados.  Eles viajam muito rápido, e algumas linhas ICE oferecem serviços de bordo adicionais como hotspots WLAN, recepção móvel e entretenimento de áudio / vídeo. Portanto, eles são muitas vezes preferido pelos viajantes de negócios.
  • Intercity (IC): na Alemanha conectar algumas das cidades maiores, por exemplo, Hamburgo e Nuremberg.
  • Regional Express (RE): na Alemanha são trens regionais que param em cidades menores também.Eles são mais baratos, mas também mais lento do que as mencionadas acima.
  • Regionalbahn (RB) é o tipo mais lento de trem na Alemanha. RB trens só servem áreas limitadas e fazer inúmeras paradas em pequenas estações. Assim como os trens RE, os seus compartimentos de segunda classe pode rapidamente tornar-se lotado, especialmente na sexta-feira à noite, no fim de semana e durante a temporada de férias.
As paradas nas estações tendem a ser bastante rapidas, por isso preste muita atenção no sistema de alto-falante ou pedir a seus companheiros de viagem para alertá-lo sobre o seu local de desembarque.  As próprias estações estão ligadas à rede de transporte local ou regional.

Bilhetes e tarifas

Como eu já citei, viajar de trem na Alemanha é de fato bastante caro, especialmente se você optar por um assento de primeira classe em um trem rápido de longa distância. Por exemplo, um único passeio ICE de primeira classe, saindo de Munique para Berlim custa até EUR 219.  No entanto, existem inúmeras maneiras de conseguir um desconto para viagens de trem na Alemanha, e podemos explicar apenas alguns deles aqui:
  • Se você vai em viagens de negócios dentro da Alemanha em uma base regular, o chamado Cartão Bahn provavelmente vai te ajudar: Com este cartão de desconto personalizado, você pode economizar até 50% da tarifa regular.
  • Para viagens de longa distância, também existem as chamadas “tarifas poupança” ofertas: um número limitado de bilhetes para certas conexões são vendidos por menos de EUR 29 ou EUR 39.
  • Além disso, você pode economizar até 50% em cada passagem de volta, desde que você restringir-se a viajar em um determinado dia e fazer uma viagem de volta de e para a mesma estação.
  • Além disso, existem vários bilhetes sazonais e descontos regionais também. O Schönes-Wochenende-Ticket(Happy Weekend Ticket) e os Länder-Tickets (bilhetes de um dia regionais) são particularmente populares.

    Onde comprar o seu bilhete

    Você pode adquirir o seu bilhete no balcão, ou em uma máquina de venda automática (nem todas aceitam cartões de débito ou cartões de crédito), ou on-line . Não é mais possível comprar bilhetes a bordo trens regionais.  Se você embarcar em uma conexão regional sem um bilhete válido, lembre-se que voce estará cometendo uma infração, se o fical te pegar, alem do vexame e multa,  ele pode forçá-lo a deixar o trem na estação seguinte. Nas grandes cidades, você vai encontrar muitas vezes chamados Reisezentren (centros de viagem), bem como pelo menos uma cabine de informações com funcionários que falam Inglês. Eles podem ajudá-lo a encontrar a conexão correta, ou dar conselhos em trens na Alemanha e transporte local ou para encontrar a conexão correta.  No entanto, a venda de bilhetes em estações menores costumam ter um horário limitado e o pessoal local pode não ser tão eficiente no Inglês. Em cidades muito pequenas, não há mais a bilheteria em tudo.

  • Um dica para facilitar sua viagem de trem com horarios, conexões, mapas,..é o aplicativo do Deutsche Bahn AG (Db Bahn)
  • O trem é um meio de transporte bastante popular, especialmente durante os feriados. Assim, aconselho voce fazer reservas para viagens, especialemente durante feriados, fins de semana e na hora do rush. Caso contrário, você pode acabar sentado em sua mala ou no chão. 🙂

O que acontece quando você vive no exterior

Posted on

O texto a seguir é uma tradução de “What happens when you live abroad“, da Chelsea Fagan. 

Uma característica muito comum de pessoas que vivem no exterior é encontrá-los amontoados em bares e restaurantes, falando não apenas sobre a sua terra natal, mas sobre a experiência de sair. E por incrível que pareça, esses grupos de expatriados não são necessariamente todos dos mesmos países de origem, muitas vezes, a mera experiência de mudança de local e cultura é suficiente para conectá-los e construir as bases de uma amizade. Eu conhecia uma quantidade razoável de expatriados – de diferentes períodos de estadia – nos Estados Unidos, e é reconfortante ver que aqui na Europa, os bares de “estrangeiros” são tão predominantes e preenchidos com a mesma vibração quente e nostálgica.

Mas uma coisa que, sem dúvida, existe entre todos nós, algo que permanece não-dito em todos os nossos encontros, é o medo. Há um medo palpável em viver em um novo país, e embora seja mais agudo nos primeiros meses, até mesmo anos, da sua estadia, nunca evapora completamente ao longo do tempo. Ele simplesmente muda. A ansiedade que já foi concentrada em como você vai fazer novos amigos, se ajustar e dominar as nuances da linguagem tornou-se a questão repetida “O que eu estou perdendo?”. Conforme você se estabelece em sua nova vida e novo país, conforme o tempo passa e se torna menos uma questão de há quanto tempo você está aqui e mais uma de há quanto tempo você se foi, você percebe que a vida em casa seguiu sem você. As pessoas cresceram, mudaram, se casaram, se tornaram pessoas completamente diferentes – e você também.

É difícil negar que o ato de viver em outro país, em outro idioma, muda você fundamentalmente. Diferentes partes da sua personalidade se destacam, e você assume qualidades, maneirismos e opiniões que definem as novas pessoas ao seu redor. E não há nada de errado nisso, muitas vezes é parte da razão pela qual você partiu, em primeiro lugar. Você queria evoluir, mudar alguma coisa, para colocar-se em uma desconfortável situação nova que iria forçá-lo a entrar numa nova fase de sua vida.

Então, muitos de nós, quando deixamos nossos países de origem, queremos escapar de nós mesmos. Construímos enormes redes de pessoas, bares e cafés, de argumentos e exes e os mesmos cinco lugares de novo e de novo, dos quais sentimos que não podemos nos libertar. Há muitas pontes que foram destruídas, ou amor que se tornou azedo e feio, ou restaurantes em que você comeu tudo no menu pelo menos dez vezes – a única maneira de escapar e tornar a sua ficha limpa é a ir a algum lugar onde ninguém saiba quem você foi, e nem vá perguntar. E, embora seja extremamente refrescante e estimulante sentir que você pode ser quem você quiser ser e vir sem a bagagem do seu passado, você percebe o quanto de “você ” foi mais baseado em localização geográfica do que qualquer outra coisa.

Andar pelas ruas sozinho e jantar em mesas para um – talvez com um livro, talvez não – em que você fica sozinho por horas, dias a fio com nada além de seus próprios pensamentos. Você começa a falar sozinho, perguntando coisas a si mesmo e respondendo-as, e fazendo as atividades do dia com uma lentidão e uma apreciação que você nunca antes sequer tentou. Até ir apenas ao supermercado – estando em um empolgante lugar novo, sozinho, em um novo idioma – é uma atividade emocionante. E ter que começar do zero e reconstruir tudo, ter que reaprender a viver e realizar atividades diárias como uma criança, fundamentalmente lhe altera. Sim, o país e seu povo terão o seu próprio efeito sobre quem você é e o que você pensa, mas poucas coisas são mais profundas do que simplesmente começar de novo com o básico e confiar em si mesmo para construir uma vida de novo. Eu ainda tenho que encontrar uma pessoa que eu não ache que se acalmou com a experiência. Há uma certa quantidade de conforto e confiança que você ganha consigo mesmo quando você vai para este lugar novo e começa tudo de novo, e uma noção de que – aconteça o que acontecer no resto da sua vida – você foi capaz de dar esse passo e pousar suavemente pelo menos uma vez.

Mas existem os medos. E sim, a vida continuou sem você. E quanto mais tempo você ficar em seu novo lar, mais profundas essas mudanças se tornarão. Feriados, aniversários, casamentos – cada evento que você perde de repente se torna uma marcação em uma resma de papel sem fim. Um dia, você simplesmente olha para trás e percebe que tanta coisa aconteceu na sua ausência, que tanta coisa mudou. Você acha cada vez mais difícil iniciar conversas com as pessoas que costumavam ser alguns dos seus melhores amigos, e piadas internas se tornam cada vez mais estranhas – você se tornou um estranho. Há aqueles que ficam tanto tempo fora que nunca podem voltar. Todos nós conhecemos o expatriado que está em seu novo lar há 30 anos e que parece ter quase substituído os anos perdidos longe de sua terra natal com total imersão apaixonada em seu novo país. Sim, tecnicamente eles são imigrantes. Tecnicamente a sua certidão de nascimento iria colocá-los em uma parte diferente do mundo. Mas é inegável que qualquer que seja vida que eles deixaram em casa, eles nunca poderiam juntar todos os pedaços. Essa pessoa antiga se foi, e você percebe que a cada dia você se aproxima um pouquinho mais de você mesmo se tornar essa pessoa – mesmo se você não quiser.

Então você olha para sua vida, e os dois países que a seguram, e percebe que agora você é duas pessoas distintas. Por mais que seus países representem e preencham diferentes partes de você e o que você gosta na vida, por mais que você tenha formado laços inquebráveis com pessoas que você ama em ambos os lugares, por mais que você se sinta verdadeiramente em casa em qualquer um, você está dividido em dois. Para o resto de sua vida, ou pelo menos você se sente assim, você vai passar seu tempo em um incômodo anseio pelo outro, e esperar até que você possa voltar por pelo menos algumas semanas e mergulhar de volta à pessoa que você era lá. Leva-se muito tempo para conquistar uma nova vida para si mesmo em algum lugar novo, e isso não pode morrer, simplesmente porque você se moveu ao longo de alguns fusos horários. As pessoas que lhe acolheram no país delas e tornaram-se sua nova família, eles não vão significar menos para você quando você está longe.

Quando você vive no exterior, você percebe que, não importa onde você esteja, você sempre será um expatriado. Sempre haverá uma parte de você que está longe de sua casa e jaz adormecida até que possa respirar e viver com todas as cores de volta ao país onde ela pertence. Viver em um lugar novo é algo belo e emocionante, e pode lhe mostrar que você pode ser quem você quiser – em seus próprios termos. Pode dar-lhe o dom da liberdade, de novos começos, de curiosidade e empolgação. Mas começar de novo, entrar naquele avião, não vem sem um preço. Você não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo e, a partir de agora, você sempre ficará acordado em certas noites e pensará em todas as coisas que você está perdendo em casa.